Estudo analisa a importância da arqueologia para o licenciamento ambiental em Sergipe

Um estudo com o objetivo de analisar a importância social, profissional e científica da Arqueologia dentro do licenciamento ambiental em Sergipe foi desenvolvido pelo bolsista de mestrado Thiago Rodrigues da Conceição Santos. O projeto foi desenvolvido com o apoio do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Durante o estudo, foram analisados objetos arqueológicos encontrados na Usina Hidrelétrica de Xingó, no trecho da BR-101, entre Pirambu e Pacatuba, e na a obra de estruturação do município de São Cristóvão. O pesquisador Thiago Rodrigues aponta que os objetos encontrados são importantes para preservar a história.

“Encontrar este tipo de material é importante porque é a nossa historia que está  sendo preservada, e poderia ser destruída se não houvesse a  Arqueologia no licenciamento ambiental. Em Xingó, por exemplo, se não fosse realizado o salvamento arqueológico, iria perderia um sitio muito importante para contar a historia porque a datação vai de 1.200 anos a 9.000 anos antes do presente que é a datação amis antiga do estado. A gente mostra os métodos que a Arqueologia usa para esclarecer a importância da arqueologia para a população”, pontua Thiago.

Sítios arqueológicos
Nos locais pesquisados foram encontrados diversos materiais. Na hidroelétrica, foi encontrado o sitio arqueológico ‘Justino’ que tem 187 esqueletos, sendo assim um dois sítios arqueológicos mais importantes do Nordeste. Em São Cristóvão foram encontradas mais de 3 mil peças arqueológicas (louças, cerâmicas, ossos de animais), esse tipo de material que é considerado histórico.Na Rodovia 101 foram encontrados 17 sítios arqueológicos com material pré-histórico (materiais em pedra conhecidos como lítico lascado, pedra polida, louças de barro) e também material histórico (cerâmica louça).

Fonte: Comunicação Fapitec/SE.

Tags: