| Em 08/02/2019

Fapema apoia exposição “A arte que vem do barro: modos de fazer cerâmica artesanal no MA”

 

A exposição “A arte que vem do barro: modos de fazer cerâmica artesanal no Maranhão” apresenta os resultados de três pesquisas que envolvem as práticas ceramistas ancestrais existentes na região ocidental do Maranhão, nas regiões da Baixada Maranhense e Reentrâncias Maranhenses será apresentada no período de 15 de fevereiro a 15 de março das 9h às 17h,  na sede da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo de Cururupu. O evento trata-se de uma parceria entre a UFMA, por meio do Observatório Cultural do Maranhão – PGCult e a Prefeitura Municipal de Cururupu, com o apoio do Governo do Estado do Maranhão por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) no Edital Comuni Nº 025/2017 – Processo Nº 05117/17 de autoria do Prof. Arkley Marques Bandeira e apoio da AFAC – Cururupu.

A exposição apresentará os modos de fazer cerâmica no Quilombo de Itamatatiua, em Alcântara; a Cerâmica das Anas no Quilombo do Porto do Nascimento; em Mirinzal e a produção ceramista quase extinta, em Cururupu. Os estudos estão criando redes colaborativas com as ceramistas, compreendendo o modo de fazer cerâmica como um dos principais elementos identitários destas comunidades, atuando como importante suporte de identidades, memórias, histórias e sociabilidades.

Dentre os temas abordados na Exposição, destacam-se a diversidade nos modos de fazer cerâmica, como a multiplicidade das formas e a liberdade criativa da cerâmica de Itamatatiua, com um forte apelo comercial; a cerâmica funcional e durável, elaborada para preparar, armazenar ou consumir alimentos, das Anas de Porto do Nascimento e os remanescentes cerâmicos funcionais e decorativos de Cururupu feitos por Dona Antônia.

Nos três exemplos, o modo de fazer cerâmica é perpetuado por mulheres e se configura como um saber herdado dos ancestrais, na maioria das vezes membros da família ou de experientes ceramistas que passaram seus conhecimentos para as novas gerações.

Fonte: Comunicação Fapema (texto: Leidyane Ramos).