| Em 04/05/2021

Pesquisadores de Mato Grosso do Sul desenvolvem gel cicatrizante à base de planta nativa do Estado

Planta Algodãozinho do Cerrado

Planta Algodãozinho do Cerrado (Foto: reprodução Fundect)

Dentre os inúmeros editais que a Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul – Fundect publica todos os anos para o fomento da pesquisa, ciência e tecnologia no Mato Grosso do Sul, o edital PPSUS é aquele que investe em pesquisas aplicadas no âmbito do Sistema Único de Saúde, o SUS.

E você já ouviu falar na Farmácia Viva do SUS? A ideia básica é ter sempre ao alcance das mãos as plantas medicinais como aliadas ao tratamento de diversas doenças.

Estudando plantas medicinais desde 2013 já com o apoio do edital PPSUS, a farmacêutica bioquímica e pesquisadora da Universidade Federal da Grande Dourados – UFGD, Kelly Mari Pires de Oliveira, vem desenvolvendo junto com sua equipe, um gel à base do extrato das folhas do algodãozinho do cerrado, planta bastante encontrada no Mato Grosso do Sul.

“O objetivo é que este gel atue na prevenção e tratamento de infecções de pele, tornando-se uma alternativa de baixo custo e democrática incorporada ao SUS por meio da Farmácia Viva. O algodãozinho do cerrado é uma planta que resiste muito bem às queimadas dos campos e pastagens, sendo assim já é utilizado há muito tempo pela população rural. Geralmente essas pessoas utilizam a raiz da planta, consequentemente a planta morre. Nosso objetivo é produzir o gel à base das folhas, garantindo assim a vida dessa espécie que já está na lista de plantas ameaçadas de extinção”, afirma a pesquisadora.

O experimento está na fase de testes em laboratório e a expectativa é de que o produto esteja finalizado em 2022.

 

Fonte: FUNDECT   (Texto:Diogo Rondon /Ascom-Fundect – com acréscimos)

 

SIGA O CONFAP NAS REDES SOCIAIS: